Um ano sabático. Transformação e caminho sem volta.

Há exatamente um ano eu tomava as rédeas da minha vida, jogando para o alto tudo o que me conectava com a minha zona de conforto. Saí para voar por aí com meus pés, minha mochila com pouca bagagem e muita coragem, transformando e encarando tudo pela realização dos meus sonhos e propósitos. Me joguei sem medo de ser feliz numa imersão necessária e profunda para dentro de mim mesma e de tantos e quantos universos e ensinamentos que cruzaram meu caminho durante esse ‘tempo’ que, diga-se de passagem, já é outro tempo se comparado ao de alguém que vive preso, cego e doutrinado pelo sistema.

Antes de cair na estrada, eu criei esse blog com o intuito de relatar sobre a viagem mas… Logo ficou claro que essa trip tinha muito mais a ver com VIVER do que compartilhar, porque a VIDA REAL É MUITO mais interessante e carente de nosso precioso foco e tempo. E as redes sociais, bombadas de selfies, empoderados de superficialidades e falsidades, egos escancarados de carências e querências que não me pertencem, realmente deixaram de ter a mesma importância no meu tempo. Vivi mais On no que é Off! Tratei de viver mais e publicar bem menos: apenas os principais momentos da viagem foram compartilhados no instagram @voeiporai, com o intuito de eternizar para mim mesma alguns aprendizados e vivências, que levo junto pra sempre no coração, com toda gratidão! (Maaaas prometo ainda escrever, detalhar e eternizar sobre cada passagem na Argentina, no Chile e no sul do Brasil).

Vivi em um ano o que não vivi em uma década, descobri e senti o privilégio de viver um dia de cada vez, consciente no presente. Ousei viver intensamente e integralmente o AGORA. Parti no outono e desde então permiti que todas as estações, paisagens, pessoas e vivências me transformassem e agregassem pelo caminho, um caminho mágico, transformador e sem volta!

Sem dúvida, foi o ano mais desafiante e incrível da minha vida. Num mix insano de sensações, altos e baixos, presenças e ausências, eu quis desistir várias vezes! Mas segui e persisti porque o sol nasce todo dia e se não, supere e espere pelo arco-íris que sempre vem depois de uma tempestade momentânea e passageira. Sim, tudo é passageiro e relativo, tudo é aprendizado. Há sempre o lado positivo, que deve conduzir nossas ações e direções. E não há nada melhor do que se sentir livre para suas escolhas e consequências, dia após dia.

Com quase nada de roteiro e dinheiro, no último ano, viajei por 3 países: Argentina, Chile e sul do Brasil. Aprendi mais um idioma! Trabalhei e vivi em 4 hostels, 1 pousada, 1 casa na floresta, 1 discoteca, 1 agência de turismo, 1 restaurante e 1 café! Multipliquei habilidades. Com a mesma felicidade, segui desenvolvendo sites e atendendo meus clientes e parceiros online, como Nômade Digital.

Contemplei centenas de lugares inesquecíveis em todas as estações do ano, cruzei com milhares de pessoas inspiradoras. Muitas cores e amores. Muita gente boa espalhada pelo caminho, de braços abertos para ajudar. Multipliquei minha família, ganhei amigos e conquistei irmãos. Ganhei e perdi. Também me surpreendi com pessoas e máscaras, que geralmente caem quando se põe à prova a compaixão, o altruísmo e o egocentrismo da maioria. Pessoas de verdade e de mentira. Sorri, gargalhei e chorei muito. Vivi momentos incríveis e sou muito grata por todos os ensinamentos e merecimentos. Compartilho alguns:

Subi uma estação de ski caminhando e desci voando. Realizei o sonho de deitar e rolar na neve com o filhão, fizemos piquenique na base de um vulcão. Nadei em um lago congelante, me aqueci nas águas vulcânicas. Caí e levantei, diversas vezes. Meus limites e paciência foram testados como nunca, incontáveis vezes. Superei com todo êxito: coração leve e consciência limpa, sempre. Voltei por um sonho coletivo e paguei bem caro por isso. Nem sempre a gente acerta, mas a gente sempre há de aprender com a lição. Aprendi a pensar mais em mim e menos nos outros. Tirei força, fé e coragem do mais profundo do meu ser, onde eu nem sabia que existia. Foco no positivo, me apeguei nas soluções e nos meus sonhos: Sonhava em morar na praia, acordei vivendo no paraíso, em uma Reserva Mundial de Surf, no sul do Brasil! Um caso de amor intenso e eterno com o mar e o barquinho sempre a remar, no meu lar! Amanheci na praia pelo merecimento de ver o sol nascer, brilhar e estampar no horizonte. Morei em uma casa incrível no meio da floresta, a 3 minutos de trilha todo santo dia, da civilização e do trabalho, para outras conexões mágicas.

Experimentei a paz no meio do caos. Viva, viva! Vivi o privilégio de não seguir um calendário e poder escolher o que eu faria dos meus dias. Ouvi elogios, também ouvi críticas. Me senti valorizada, também me senti humilhada. Senti borboletas no estômago. Senti meus pés literalmente congelarem e os ossos doerem, em uma cachoeira surreal de linda e congelante. Tremi de muito medo. Também de muito frio. Sobrevivi a dias insanos, acompanhando e organizando centenas de incansáveis foliões durante o melhor carnaval de Minas, o @blocodourso! Sem descanso renovei minhas energias e esperanças com uma equipe de estudantes que se dedica a construir e destruir guerreiros robôs. Muita inspiração e gratidão: com eles nos despedimos desse importante ciclo, uai! 😉

Senti falta de um abraço, senti muita saudade. Afastei para não magoar. Consolei e fui consolada, inspirei e fui inspirada incontáveis vezes. Encontrei forças para acompanhar e consolar alguém que desistia da vida, enquanto na maca ao lado alguém lutava pela vida, em vão. Tive estômago para digerir gente que ‘canta mantra e planta meditação’ e é capaz de ser leviano com seu próprio irmão, sem o mínimo pudor. Me senti um peixe fora d’água e também me senti em casa no meio de desconhecidos. Encontrei conhecidos nos lugares e situações mais improváveis! Um intensivão de emoção e gratidão!

Ampliei um pouco mais minha consciência ecológica: aprendi a estar muito mais ligada com os impactos que eu causo na natureza, o tanto de recursos que eu uso nas tarefas diárias: água da torneira, detergente, shampoo, papel, etc. Aprendi a colher para comer. Sentindo o estômago roncar de fome, dormi pra esquecer. Passei a valorizar e agradecer mais o alimento, sobrar e jogar fora, não mais!

Muito aprendi e de nada me arrependi. Descobri o que é se dedicar integralmente aos seus sonhos e a vida que VOCÊ sonhou. Me joguei em um caminho sem volta. As malas seguem prontas enquanto os amigos seguem perguntando se eu voltei. Eles ainda não entenderam que se há hora de chegar, há de haver hora de partir. Que assim seja e sempre. Amém!

Na bagagem, somente o pouco que precisamos para o próximo ciclo e… O insaciável desejo para todos os que eu AMO: que tenham coragem de viver sua vida em função de seus sonhos, do que faz seu coração bater de verdade! VIVA E APROVEITE INTEGRALMENTE CADA DIA, ENQUANTO A CORTINA NÃO SE FECHA! Ou vai continuar aí sentado na platéia?

Tomara que a gente se esbarre por aí, seja onde e como for… Eu vou indo e vou fluindo, evoluindo num voo lindo! Para o alto e avante! GRATIDÃO! @voeiporai


Argentina

 

Chile


Brasil

93 Views

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *